Ver Resposta Única
Antigo 11-08-2009, 15:38   #1
lude
Moderador
 
Avatar de lude
 
Registado em: Mar 2009
Localização: Chelas
Posts: 4,433
Padrão Fazer uma "reprogramação" ou meter uma "Box"...

Hoje em dia é cada vez mais normal ouvir-mos falar que um determinado carro "tá chipado". Mas, que modificações são essas que podem ser feitas à centralina?

Todos os motores a injecção, quer sejam aspirados, ou turbo, possuem um pequeno computador chamado ECU (Electronic Control Unit) para controlar o combustível e o ângulo de ignição (entre outros parâmetros). Estas ECUs substituem os carburadores e os distribuidores mecânicos. Estas unidades são potentes sistemas embebidos com processadores de 16 ou 32bits que tipicamente processam 10 milhões de operações por segundo.
(Mas, por exemplo, a ECU de um BMW M5 é 5 vezes mais potente...)
Um motor moderno tem que preencher uma série de requisitos, nomeadamente conseguir um bom arranque a frio e controlar as emissões de poluentes. Também é espectável que estes veículos sejam agradáveis de conduzir e tenham uma performance aceitável, de acordo com os requisitos do projecto, sejam quais forem as condições de utilização.
A gestão electrónica dos motores faz a leitura de cerca de 50 sensores, tais como o sensor de oxigénio, o do caudal de ar (MAF), posição do pedal do acelerador, pressão do turbo, entre outros. Esta informação é processada em tempo real e mediante parâmetros pré-programados são activados deteminados sinais, conseguindo resolver as condições mais adversas e garantindo uma correcta mistura ar-combustível, através do controlo destas saídas ou parâmetros do motor como a ignição, injectores ou a pressão do turbo.
Na ECU existe um chip que contém uma matriz de valores (parâmetros pré-programados) que indicam qual a quantidade de combustível e ar que devem injectar no motor para várias condições, dependendo de factores como a rotação, carga do motor, etc. Esta matriz chama-se mapa.
Nesta matriz também está por exemplo a pressão máxima do turbo e a limitação de velocidade em certos modelos. (por exemplo, os BMW possuem um limitador de velocidade aos 250Km/h (e ainda outros... mas isso já é divagar)



Este mapa é lido pelo computador mas não é alterado. Ao criar este mapa, o fabricante tem que fazer vários compromissos. Isto porque há que ter em atenção que o carro vai ser vendido para o mercado mundial, com condições climatéricas diferentes em cada país, tem que poder usar várias qualidades diferentes de combustível, vai ser conduzido por automobilistas com tipos de condução diferente, vai ter que optimizar o consumo de combustível e a emissão de poluentes, etc.
Assim de cabeça, lembro-me que nom passado recente a Salvador Caetano "oferecia" mais 25 cavalos (ou algo do género, quem tiver aproveitado essa promoção por favor complete).
O que era alterado com essa preparação? Era feito um remapeamento à centralina!
Curiosamente, o carro inicialmente cumpria as normas Euro 5 e depois do remapeamente passava a cumprir apenas as normas Euro 4. No entanto, não se tratava de um veículo poluente! Simplesmente, era menos ecológico do que o modelo original feito pela Toyota.
Com este simples exemplo já vimos 1 dos motivos pelos quais os carros não possuem mais potência de origem... Os fabricantes tentam que o carro seja pouco poluente!

Os carros tem que se comportar dentro de certos parâmetros e assim os fabricantes não optimizam os resultados da potência e do binário ao máximo, embora esse potencial esteja todo lá e previstos quando foi projectado o motor.
Existe uma faixa de parâmetros que pode ser aproveitada de forma a se tirar mais partido de um motor. Os fabricantes de chips o que fazem é alterar o mapa de modo a optimizar determinados parâmetros de modo obter uma maior potência e/ou o binário do motor. Nos carros com turbo, o chip também controla o turbo e conseguem-se ganhos de potência muito maiores.

Por exemplo, num motor a gasolina aspirado, os ganhos em potência andarão à volta dos 4-8%. Se o motor for Turbo, por exemplo o motor 1.8 T do Golf IV que tem 150cv, trocando o chip consegue-se facilmente uma potência de 200cv, que se traduz em cerca de +30 km/h de velocidade máxima e 2s dos 0-100km/h. Nos motores Turbo-Diesel os ganhos também podem atingir cerca de 40% em certos modelos.

Concluímos portanto que com a reprogramação da centralina conseguimos um aumento da velocidade máxima e uma resposta mais rápida do pedal do acelerador.
Ah... também podemos conseguir uma redução do consumo de combustível mas só se for feita uma condução normal.
Devo dizer que aguardo essa pergunta para responder mais tarde. Não vamos j+a falar nisso porque não pretendo que cada post seja demasiado extenso e consequentemente "chato"...

É necessário estar atento a reprogramações que prometem aumentos de potência muito elevados. Estes aumentos podem realmente acontecer mas só em situações muito específicas. Outro aspecto a ter em atenção é que um chip desenvolvido nos EUA ou Japão para um automóvel usado na Europa, não funcionará tão bem como um desenvolvido na Europa, porque a octanagem do combustível é diferente da Europeia e isso é levado em conta na elaboração do mapa para o chip.

Existem várias formas de criar um novo mapa para a ECU. Os preparadores desenvolvem maior ou menor esforço na obtenção de um mapa para determinado modelo, e a tecnologia que usam também é determinante para o valor final do chip ou da reprogramação. Por exemplo, pode ser usado o dyno-tuning, que não é mais do que o teste em banco de potência das alterações que vão sendo feitas e a adaptação das mesmas de modo a se conseguirem os melhores resultados no banco de potência.

A facilidade de copiar um chip de um preparador conceituado não é difícil para quem tem o material adequado. Por isso também se faz sentir a pirataria nesta área, o que se traduzirá por preços muito mais baixos (porque é que há casa a cobrar 500€ por uma reprogramação enquanto que outras cobram 180€?).
É necessário estar atento a isto e verificar se o chip cumpre as normas da TUV, o organismo que normalmente regula o tuning. Isto, é claro, para quem pretende estar descansado...
Ainda um dia destes vi um carro a ser reprogramado em que o dono mandou meter tudo no máximo. A pessoa que fez a reprogramação advertiu que ia acabar por partir, mas o dono respondeu que "quando for para deitar, deita!". Curiosamente, ele já trocou de carro... Ainda bem que não fui eu que o comprei... Já estava lindo...

É importante que o fornecedor dê algum tipo de garantias e se tem ou não experiência e se pode dar assistência pós-venda e mesmo se tem conhecimentos para instalar o chip. A forma como o chip é colocado e a tecnologia que é empregue como por exemplo o modo como é soldado, também deverá ter influência ao tomarmos a decisão. Normalmente estas alterações não são visíveis ao submeter o carro a um teste de diagnóstico.

O Chip-tuning é assim, sem sombra de dúvida uma boa opção para quem deseja optimizar as performances do seu carro sem prejudicar grandemente a sua vida útil podendo ainda ser facilmente reversível, a um custo muito baixo em relação à preparações "clássicas", tendo ainda resultados realmente impressionantes em motores turbo a gasolina ou a diesel.
Alguns dos chips removem ainda o limitador que existe em alguns carros, tal como por exemplo o que limita a 250km/h a velocidade máxima dos carros Alemães (excepto Porsche).

Outro tipo de upgrade que se pode fazer é através de dispositivos do tipo tuning box ou power box. Estes não necessitam da substituição do chip e são ligadas normalmente aos cabos existentes no motor. Pode ser mais ou menos fácil instalar um dispositivo destes no seu motor. Alguns podem necessitar de uma afinação no motor, outros nem isso necessitam. O tempo de instalação é normalmente curto, podendo ser removidos em qualquer altura. Outra vantagem é a que alguns destes equipamentos podem ser reutilizados noutros automóveis, e pode-se assim recuperar o investimento. É normal que a maioria das boxes não consigam os mesmos valores de potência e binário de um chip pois não controlam tantos parâmetros do motor nem podem alterar o mapa original criado pela fabricante.

Em vez da substituição do chip ou da instalação de uma box adicional, é possível em alguns modelos reprogramar a ECU através da ficha de diagnóstico. OBD significa On-Board Diagnostics. O protocolo OBD começou a ser desenvolvido à alguns anos de forma a haver uma forma comum de diagnóstico dos vários problemas que acontecem num motor. Actualmente está em uso a OBD-II. Para mais informações sobre este protocolo pode ser consultado o site http://www.obdii.com. Através da ficha de diagnóstico é possível carregar e alterar determinados parâmetros na ECU de modo a optimizá-los conseguindo-se assim os mesmos aumentos de potência. Cada vez mais veículos suportam este tipo de reprogramação. Algumas das vantagens deste método, são a invisibilidade das alterações, o facto de não se perder a garantia de fábrica, não há deterioração de componentes adicionais com o tempo e a reversibilidade.

O motor tem um desgaste maior depois de a sua electrónica ter sido alterada? Em principio, sim. O aumento de potência tem consequências na longevidade do motor. Mas é preciso ter em atenção que este desgaste está intimamente ligado à forma como o carro é utilizado e ao tipo de condução de cada um. É necessário redobrar os cuidados com a manutenção do automóvel e ter cuidado com os intervalos de mudança de óleo e de substituição de outros componentes, a qualidade dos combustíveis também é importante.
Por fim, resta comentar que em média a temperatura do motor "chipado" terá tendência em aumentar cerca de 10º quando o motor estiver a funcionar ao máximo, comparando com o carro standard. Em carros com preparações mais puxadas, poderá ser necessário montar radiadores adicionais!

Aguardo comentários, acho que temos um bom ponto de partida para mais uma discussão 8-)
__________________
ŁµÐ€ ρяѻσנє¢†s: nuno.2ya.com - ツ - ɯoɔ˙ɐʎ2˙ounu//:dʇʇɥ
BMW 330Cd | Honda Prelude 2.2 VTEC 4WS


"Subviragem é quando bates de frente no muro. Sobreviragem é quando bates de traseira no muro.
Potência é a velocidade com que bates no muro. Binário é até onde consegues levar o muro contigo."

Última edição por lude; 02-06-2012 às 13:02.
lude está desligado  
                                                        Responder com citação