Ver Resposta Única
Antigo 11-08-2009, 15:36   #1
lude
Moderador
 
Avatar de lude
 
Registado em: Mar 2009
Localização: Chelas
Posts: 4,431
Padrão Controlo de estabilidade e tracção

O sistema de Controlo Electrónico de Estabilidade é um sistema que pertence ao grupos de dispositivos de segurança activa, já faz parte de grande parte do equipamento de série nos ligeiros e será no prazo máximo de 4 anos obrigatório em todos os modelos.

É um sistema complexo, dispendioso. Constitui um notável avanço no campo da segurança activa nos veículos automóveis ligeiros, pois pode fazer autênticos ‘milagres’ e evitar despistes e acidentes à partida inevitáveis.

É denominado por diferentes iniciais dependendo de marca para marca ( DSC na BMW (Dinamic Stability Control), PSM na Porche (Porche stability control) VDC na Alfa Romeu (Vehicle dinamic control) CDS na Peugeot (control of dinamic stability) etc, porém, o funcionamento é semelhante em todas. Se meditarmos sobre o dispositivo, logo à partida deparamos com a complexidade do mesmo, pois, na prática, um veículo automóvel pode enfrentar variadíssimas condições de aderência e situações que facilmente poderiam enganar este sistema. Se pensarmos quais os sensores que um carro necessita de ter para este sistema poder funcionar com fidelidade, atendemos com clareza que em primeiro lugar precisa de saber a velocidade das quatro rodas independentemente, logo, utiliza os sensores do sistema de anti bloqueio (ABS) para poder saber se existe algum desfasamento entre as rodas. Mas, estes sensores por si sós não são minimamente suficientes para este sistema, pois, o carro pode entrar em derrapagem sem haver grande desfasamento entre as rodas, e pode em determinada situação fazer uma curva a uma velocidade X, e noutra situação com condições de aderência menores, por exemplo chuva ou geada, pode já não fazer essa mesma curva à mesma velocidade X. Logo, concluímos que são necessários mais sensores para que a leitura deles todos em conjunto dê um produto de fidelidade e eficácia seja qual for a situação. Só assim este sistema poder funcionar correctamente e realmente evitar despistes. Este conjunto de sensores vai ser pormenorizadamente descrito por nós mais à frente, no entanto vamos apenas fazer uma breve introdução dos mesmos.


Em primeiro estão os já nomeados sensores de velocidade das rodas, um para cada roda, o interruptor da luz de travagem é também utilizado para dar a informação à unidade de controlo se o condutor está ou não a travar, assim como um sensor que detecta a pressão de travagem, em seguida é indispensável possuir um sensor para medir a aceleração lateral do veículo (veículos de tracção traseira), e, um sensor para o momento de rotação que o chassis está a sofrer.
Necessita também de um sensor de ângulo de direcção, para saber o quanto e para onde é que o condutor está a virar, possui ainda sensores ligados ao motor que auxiliam a unidade de controle na difícil tarefa que tem como objectivo de controlar a trajectória do veículo.
Para além dos sensores, é constituído por componentes de extrema importância, como uma bomba de recirculação especificamente para o sistema, para recircular o fluido dos travões, uma unidade de válvulas hidráulicas solenóides para poder controlar a pressão de travagem independentemente a cada uma das rodas, e, como cérebro do sistema possui a unidade de controlo onde são ligados todos os sensores e de onde são dadas as ‘ordens’ aos componentes para actuarem com precisão. Possui ainda uma luz avisadora para informar se o dispositivo está em funcionamento (ESP). Algumas marcas equipam os veículos com um interruptor para o condutor poder desligar o dispositivo caso assim o pretenda.

Este conjunto de sensores e componentes completa o sistema de controlo electrónico de estabilidade automóvel. As leituras efectuadas deste todo resultam na eficácia do sistema e assim na concretização da sua árdua tarefa, embora o condutor não deva pensar que este sistema é infalível e que é impossível despistar-se, podendo assim andar a velocidades extremamente exageradas.
Porém, o que à alguns anos atrás era impensável torna-se uma realidade nos dias de hoje, e, e a curto prazo será um sistema obrigatório para todos os veículos automóveis ligeiros contribuindo assim drasticamente para a redução de acidentes.

Fica aqui um video para poderem visualizar como o sistema funciona na práctica:



Deixo ainda uns slides explicativos sobre o funcionamento deste sistema:













































__________________
ŁµÐ€ ρяѻσנє¢†s: nuno.2ya.com - ツ - ɯoɔ˙ɐʎ2˙ounu//:dʇʇɥ
BMW 330Cd | Honda Prelude 2.2 VTEC 4WS


"Subviragem é quando bates de frente no muro. Sobreviragem é quando bates de traseira no muro.
Potência é a velocidade com que bates no muro. Binário é até onde consegues levar o muro contigo."
lude está desligado  
                                                        Responder com citação